Construindo uma carreira tributária do zero

Atualizado: 21 de mai. de 2019

Oi, pessoal!!! Como estamos? Tudo bem com vocês? Espero que sim! Estou muito feliz e animada por compartilhar minha nova página. Há um tempo estava sentindo vontade de criar um canal de comunicação que me deixasse mais próxima de vocês e que também me permitisse falar de forma mais dinâmica do meu trabalho e dos meus projetos para área que atuo.


A ideia aqui será informar, trazer conteúdo e falar de forma bem simples, clara e direta sobre a advocacia, especialmente a tributária, que abracei como escolha e que transformou minha vida e minha profissão.


Esse espaço será tão de vocês quanto meu, portanto fiquem à vontade. Para questionar, para comentar nos posts, para tirar dúvidas, trazer conteúdo, sugerir debates. A sinergia entre nós será muito importante.


Vou deixar de lado o formalismo e todo o "juridiquês" que estamos habituados. O lema aqui é simplificar. Desmistificar. E trocar experiências!


A advocacia mudou muito. As relações sociais e profissionais também. Tudo que aprendemos em antigos modelos está em xeque. E essa realidade exige novas habilidades e competências. Vejo muitos advogados com dificuldade de se encaixar nesse novo contexto e de se destacar nesse mercado com mais de 1 milhão de pessoas. Mas um fato é: só quem entender o impacto das novas tecnologias nas relações de trabalho estará apto a evoluir profissionalmente.


Eu confesso que tive dificuldade no início. Mudar não é fácil. Na verdade, ninguém gosta de mudar. Ainda mais nós, advogados, que temos inúmeras limitações de ordens ética e moral. Ainda mais nós que estamos habituados a se sentir desconfortáveis em oferecer serviço. Pessoal, nosso trabalho é vender. Tudo é venda. Independente de você ser autônomo ou prestador de serviço. Você vende serviço e entrega resultado. Ponto.


Essa foi umas das percepções mais importantes da minha carreira, porque parei de esperar o cliente bater na minha porta com o problema e parti para oferecer solução. A área tributária é excelente para isso. Você trabalha de forma mais precisa, com foco no resultado e no êxito do cliente. E hoje existem inúmeras teses e formas de planejamento que você pode apresentar de forma simples e segura para que pessoas e empresas paguem menos impostos e ainda recuperem valores pagos indevidamente. Em um país com uma altíssima carga tributária e com uma legislação complexa como a nossa o que não falta é trabalho.


Além disso, é nosso dever como advogado contribuir para o aprimoramento das leis, do Direito e das instituições. Não podemos fechar os olhos para situações abusivas cometidas todos os dias, sobretudo pelo Fisco e não fazer nada a respeito.


Agora deixa eu contar um pouco minha história. Eu sou piauiense, morei bons anos em São Luís, onde fiz minha faculdade de Direito. Como qualquer estudante, passei por aquela fase conflituosa pós formada. Não sabia direito o que fazer, se fazia outra faculdade, se estudava para concurso e ansiosa por independência financeira.


Daí em 2013, resolvi na cara e na coragem mudar para São Paulo. Estava determinada a conseguir um emprego, especializar e conquistar meu espaço. Coloquei meus planos nas mãos de Deus e me joguei.


Fiz um MBA em Gestão de Tributos e Planejamento Tributário na Fundação Getúlio Vargas. Vários cursos. Participei de palestras. Congressos.


Nesse processo de aprendizado a prática foi fundamental. Analisar decisões, votos, posicionamento do Judiciário e do Fisco sobre as mais variadas situações, acompanhar casos concretos, elaborar petições, despachar com juízes, desembargadores, participar de reuniões com clientes, lidar com situações imprevisíveis, com pessoas exigentes, oferecer produto, vender serviço, entregar resultado. Tudo que uma pós ou uma faculdade de Direito não te ensina. Então não tem jeito e não tem fórmula mágica: precisa atuar na prática e ralar!


No inicio de 2017, um amigo, contador e advogado, me ligou. Tínhamos estudado juntos na FGV. Ele trabalhava numa grande construtora que estava passando pela sua pior crise e queria saber se eu topava abrir um escritório. Na época, eu tinha acabado de sair do emprego como coordenadora da área tributária de uma grande operadora de plano de saúde, que também estava bem mal das pernas e chegou a ser liquidada e tinha começado num escritório com ótimas perspectivas de crescimento.


Na hora pensei, "Imagina, ter um escritório próprio? Como? E os clientes? E a estrutura física? Não tenho grana pra investir agora. Largar meu fixo?. Não vai rolar. Obrigada". A resposta foi não.


Mas fiquei com aquilo alguns meses na cabeça. E refletindo muito sobre propósito. Por que que eu estava fazendo o que estava e deixando de fazer o que não estava. E imaginando como seria ter meus próprios clientes, como seria ter meu próprio negócio, como seria atuar com liberdade, colocando minha própria essência e produtividade. Como seria seria sair um pouco do formalismo tradicional e conservador da advocacia. Inovar. Empreender. Que sonho!


E esse sonho virou ideia. A ideia tomou conta de mim. E aí...já era!. Eu teria meu próprio escritório. Sem muito business plan. Sem saber se ia dar certo.Cheia de dúvidas, medos, receios. Sem contar com os nãos de todos os lados. Mas com coragem de sobra e o tributário como aliado. Não tinha como dar errado. Arrisquei!


E não é que essa história de acreditar na gente e nos nossos sonhos dá certo?


Hoje sou sócia do escritório Machado Nogueira Advogados, membro do Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBDT). Divulgo conteúdo em redes sociais, escrevo artigos e estou desenvolvendo cursos voltados para atuação prática de advogados na área tributária.


Construí uma carreira e um escritório de advocacia do zero. E acredito que qualquer um pode fazer o mesmo.


O que nos impede? Nada. E se nada pode nos impedir quais são as opções? Todas! Tudo esta à sua disposição. Você apenas escolhe e aquilo é seu - isso é que é liberdade.


Sejam bem-vindos!


Fernanda Nogueira.

198 visualizações1 comentário